sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Alice Vieira - trinta anos de carreira literária


É um nome que dispensa qualquer tipo de apresentação. É conhecida por jovens e menos jovens, talvez até mais por estes, que tiveram oportunidade de crescer com os seus livros e histórias. Os mais jovens parecem ter agora outras prioridades... Falamos de Alice Vieira e dos 30 anos da sua carreira literária, comemorados ontem com uma festa no Teatro S. Luís, em Lisboa. A sua actividade como escritora começou com Rosa, minha irmã Rosa, uma obra que a autora ainda recorda com um carinho especial, escrita em conjunto com os filhos quando trabalhava como jornalista e pouco tempo tinha para eles. Entretanto, os títulos foram-se acumulando e hoje é um nome incontornável (e talvez o mais consensualmente aclamado) da literatura portuguesa para crianças e jovens. Encontra-se aqui uma pequena notícia relativa ao evento. E ficam os nossos parabéns à autora.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Actividade "Desafio do mês" - Dezembro de 2009

3º ciclo e Ensino Secundário

Podemos visitar em Portalegre a Casa-Museu José Régio.
Nela se encontram objectos que pertenceram ao escritor,
entre os quais a sua colecção de esculturas de Cristo
crucificado. O número dessas esculturas somado ao ano em
que se pensa que Gil Vicente morreu dá um resultado que
corresponde a um ano em que os Jogos Olímpicos
decorreram numa certa cidade europeia. Somando à raiz
quadrada desse ano o número de países que participaram
nesses Jogos Olímpicos obtemos um determinado número.
Esse número, na tabela periódica dos elementos, é o número
atómico de um elemento da classe dos actinídeos.


1. Quantas esculturas de Cristo crucificado há na colecção de
José Régio em Portalegre?
2. Em que ano se pensa que Gil Vicente morreu?
3. Em que cidade europeia se realizaram estes Jogos
Olímpicos?
4. Quantos países estiveram nesses Jogos Olímpicos?
5. De que elemento químico se trata?

Actividade "Desafio do mês" - Dezembro de 2009

1º e 2º ciclos

A autora deste mês, Isabel Alçada, ficou famosa por escrever
livros em parceria com uma colega de trabalho que conheceu
numa escola de Lisboa. Essa escola tem o nome de um
importante escritor português.
As obras mais conhecidas destas duas autoras pertencem
todas a uma colecção. Um dos livros dessa colecção passa-se
num país africano muito conhecido pelos seus antigos
monumentos construídos na margem de um importante rio.
Para além desta famosa colecção de livros, a autora escreveu
outras obras, entre as quais uma recolha de histórias e lendas
de dois continentes do nosso planeta.

1. Como se chama a escritora que escreve obras em conjunto
com a autora do mês?
2. Em que escola se conheceram as duas autoras?
3. Como se chama a famosa colecção de livros de autoria das
duas?
4. De que país africano se trata?
5. De que dois continentes são originárias as histórias e lendas
recolhidas pela autora?

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Feira do Livro (15 a 17 de Dezembro)

Diga lá que não vem mesmo a calhar, a uma semaninha do Natal, uma feira do livro para comprar presentes sem ter de sair da escola? Ainda por cima livros, que são o que de melhor se pode dar e receber...
A feira funcionará em dois espaços diferentes: na EB1 de Alcains e no edifício-sede do Agrupamento (nas respectivas bibliotecas).
De 15 a 17 de Dezembro, venha à feira, haverá muitos livros por onde escolher e os preços têm desconto. Só não temos pagamento por Multibanco.

10 de Dezembro - Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Autor do mês, Dezembro de 2009 - 1º e 2º ciclos

Isabel Alçada

Biografia (feita pela própria escritora, depois adaptada e aumentada)

Nasci em Lisboa no dia 29 de Maio de 1950. Fui a primeira de três irmãs. Na
nossa família havia gente de todas as idades e convivíamos constantemente.
Estudei no Liceu Francês, onde me correu sempre tudo bem. Tinha amigos,
gostava dos professores e tinha boas notas. A disciplina preferida variava.
Só tenho boas recordações de férias. Íamos para a praia de São Martinho do
Porto com tios e primos. Divertíamo-nos imenso. Em Setembro instalávamo-nos
no Cartaxo e aí tínhamos muito contacto com animais. Adorávamos meter-nos
no galinheiro e perseguir a bicharada, recolher ovos do ninho e fugir dos gansos e dos adultos...
Mais tarde a família escolheu outro poiso para férias, a Praia das Maçãs. Como era uma zona
pacata, gozávamos de grande liberdade, podíamos andar de bicicleta pelo pinhal e fazer
escaladas na serra de Sintra. Organizávamos o percurso com antecedência, de preferência cheio
de obstáculos, para tornar mais emocionante a escalada até ao Castelo dos Mouros ou ao Palácio
da Pena. Não nos esquecíamos de levar um piquenique...
À medida que fomos crescendo, o grupo ia aumentando. Surgiram os primeiros namoros, alguns
por quinze dias, outros até ao fim do Verão. E tivemos as primeiras festas com dança. Para fazer
boa figura, treinava passos de rock na garagem com as minhas irmãs e os meus pais. Quase
todos os anos fazíamos uma pequena viagem pelo país ou então a Espanha.
Além do estudo, dedicava-me à ginástica desportiva e frequentava aulas de teatro. Representei
com bastante êxito numa peça de Gil Vicente. Não foi fácil escolher que curso queria tirar
porque gostava de todas as matérias. Quando acabei o liceu, inscrevi-me na Faculdade de Letras
de Lisboa e fiz o primeiro ano de um curso de Línguas. Como não gostei, mudei para Filosofia.
Casei no dia 30 de Maio. Tinha feito dezoito anos na véspera! Continuei a estudar e comecei a
trabalhar dando explicações de Português e Filosofia.
Depois arranjei o primeiro emprego fora de casa e, como trabalhava muitas horas por dia, só
podia estudar ao fim-de-semana. Nessa altura já tinha uma filha, a Vera, felizmente muito
sossegadinha. Acabei por escolher ser professora do 2.º ciclo.
Em 1976 conheci a Ana Maria Magalhães à porta da Escola Fernando Pessoa em Lisboa.
Começámos logo a preparar aulas em conjunto para os nossos alunos e dávamo-nos muito bem,
talvez por termos tido uma infância e uma juventude semelhantes.
Entretanto, a minha vida mudou muito. Fui estudar para a América, trabalhei como professora
na Escola Superior de Educação de Lisboa, coordenei o Plano Nacional de Leitura e agora aceitei
o grande desafio de ser Ministra da Educação. Divido-me em muitas actividades mas tento
nunca prejudicar a família. Faço questão de guardar muito tempo para estar com os meus netos.

Autor do mês, Dezembro de 2009 -3º ciclo e secundário

José Régio

José Régio é o pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira. Nasceu a 17 de
Setembro de 1901, em Vila do Conde, cidade onde viveu durante a sua infância e
adolescência e onde fez os seus estudos. Após uma estadia de dois anos no Porto,
para concluir os estudos secundários, foi para Coimbra frequentar a Faculdade de
Letras. Aí se licenciou em Filologia Românica, em 1925, defendendo uma tese em
que foi feita pela primeira vez a apologia dos poetas do Orpheu.
Cedo iniciou a sua actividade literária em jornais e revistas. É de salientar a sua
colaboração nas revistas portuenses Crisálida e A Nossa Revista e nas coimbrãs Bizâncio e
Tríptico. Foi em Coimbra que consolidou as suas qualidades literárias, não apenas pelo intenso
contacto com livros que vieram a influenciar a sua obra, mas também pelo convívio com
intelectuais que marcaram um período fecundo do século XX, tanto na criação como na crítica.
No mesmo ano em que concluiu a licenciatura publicou o seu primeiro volume de poesia,
Poemas de Deus e do Diabo, usando pela primeira vez o pseudónimo José Régio. Em Março de
1927 fundou, com João Gaspar Simões e Branquinho da Fonseca, a revista Presença, que durou
treze anos e foi considerada o órgão oficial do segundo modernismo.
Concluído o curso da Escola Normal, iniciou a carreira docente com uma breve experiência
como professor provisório no Liceu Alexandre Herculano, no Porto, até ser nomeado, em 1930,
professor efectivo do Liceu de Portalegre, cargo que exerceu até se reformar, em 1962.
Desde então viveu alternando a sua residência entre Vila do Conde e Portalegre, até que, em
1966, após doença prolongada, se instalou definitivamente em Vila do Conde. Morreu a 22 de
Dezembro de 1969, vítima de doença cardíaca. Assinala-se este mês, portanto, o quadragésimo
aniversário da sua morte.
Trabalhador incansável, partilhou sempre as tarefas docentes com múltiplas actividades. Além
da criação literária, manteve colaboração em jornais e revistas como crítico e polemista. É de
realçar o seu envolvimento político, tendo-se mantido firme e frontal nos seus ideais socialistas,
apesar do regime repressivo de então. O isolamento a que por vezes se votava para a produção
literária não o impedia de frequentar as tertúlias nem de manter contactos com os meios
literários através de cartas. Foi coleccionador empenhado de peças antigas de arte popular com
que recheou as casas de Portalegre e de Vila do Conde, actualmente abertas ao público.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Concurso "Escrita em dia" - Aluna do nosso agrupamento entre as finalistas

É com muita honra que anunciamos a toda a escola que, entre os 20 finalistas seleccionados a nível nacional pelo escritor José Luís Peixoto para o concurso "Escrita em dia", temos uma aluna do nosso agrupamento - a Cláudia Barroso do 11.º C. É agora a nossa vez de tudo fazer para que o trabalho dela venha a ser ainda mais reconhecido. A partir de hoje, os 20 textos finalistas estão disponíveis no sítio da Coca Cola Portugal. A eleição do melhor vai ser feita por votação. Vamos todos ler o seu texto e votar. É também o nome e o prestígio da nossa escola que saem reforçados.

Fica aqui o anúncio dos finalistas com as instruções para votação.
http://cocacola_escritacriativa.blogs.sapo.pt/

Boa leitura, boa escrita e obrigado a todos os que apoiarem a iniciativa.